Mestrado e Doutorado em Planejamento Regional e Gestão da Cidade
Mestrado e Doutorado em
Planejamento Regional e Gestão da Cidade

Disciplinas Eletivas – Doutorado

Conceitos básicos de decisões multicritério. Situação de decisão. Decisões sob certeza, risco e incerteza. Decisões sob múltiplos critérios. Método de análise hierárquica AHP. Árvore de decisão. Método de Borda. Decisão sobre escolha de representantes. Estudo de caso com aplicação de métodos multicritérios.

 

Bibliografia:
ALMEIDA-DIAS, J.; FIGUEIRA, J.R.; ROY, B. Electre Tri-C: a multiple criteria sorting method based on characteristic reference action. European Journal of Operational Research, Amsterdam, n. 204, p.565-580, 2010.
COSTA, H.G. Auxílio multicritério à decisão: método AHP. Rio de Janeiro: Ed. Abepro, 2006. 95 p.
DOUMPOS, M.; GRIGOROUDIS, E. Multicriteria decision aid artificial intelligence. Ed. Chichester: Wiley-Blackwell, 2013. 368p
GOMES, L.F.A.M.; SIMÕES, G. C. F.; ALMEIDA, A.T. Tomada de decisão gerencial: enfoque multicritério. São Paulo: Ed. Atlas. 2002.
GOMES, L.F.A.M.; ARAYA, M.C.G.; CARGNANO, C. Tomada de decisões em cenários complexos. São Paulo: Ed. Thomson, 2004. 168p
FIGUEIRA, J.; GRECO, S.; EHRGOTT, M. (Ed.). Multiple criteria decision analysis. New York: Springer, 2005. 1045 p.
ISHIZAKA, A.; NEMERY, P. Multi-criteria decision analysis: methods and software. Chichester: Ed. Wiley, 2013. 310 p
ISHIZAKA, A.; LABIB, A. Analytic hierarchy process and expert choice: benefits and limitations. OR Insight, London, v. 22, n. 4, p. 201-220, 2009.
SAATY, T.L.; SHANG, J.S. An innovative orders-of-magnitude approach to AHP-based multi-criteria decision making: prioritizing divergent intangible humane acts. European Journal of Operational Research, Amsterdam, n. 214, p. 703-715, 2011.
SAATY, T.L. Decision making for leaders. Pittsburgh: Ed. RWS Publications, 2002.
______ . How to make a decision: the analytic hierarchy process. European Journal of Operational Research, Amsterdam, n. 48, p. 9-26, 1990.

 

 

1. Breve introdução a teoria de comércio internacional: O conceito de vantagens comparativas ricardianas; As vantagens comparativas e a dotação de fatores; As vantagens comparativas e o comércio intra-indústria; Os instrumentos da política comercial; O papel do comércio no crescimento econômico. 2. O sistema multilateral de Bretton Woods – histórico e principais questões: As principais questões do comércio mundial e o Acordo Geral de Tarifas e Comércio (1950 a 1980); O novo protecionismo da década de 80 e a crise do GATT.; A Roda Uruguai e a criação da Organização Mundial do Comércio (OMC); A Rodada Doha e os impasses na OMC; A formação de consenso na OMC e a entrada da China. 3. Os novos temas da agenda de comércio: O conceito de cadeias globais de valor (CGV); A relação entre as CGV e a crise no sistema multilateral; O comércio de serviços; Direitos de propriedade intelectual; Investimento;  Meio ambiente. 4. Os acordos de comércio: As teorias de acordos de comércio; O debate multilateralismo versus regionalismo; Análise dos principais acordos comerciais: as políticas dos Estados Unidos; União Europeia; Ásia; e, América Latina; Os novos acordos e as cadeias globais de Valor (Acordo Trans-Pacífico e o Acordo Transatlântico). 5. A política de comércio exterior no Brasil: Breve histórico e principais características do comércio exterior do Brasil; A agenda de acordos comerciais do Brasil: acordos negociados e em negociação; A mudança na pauta exportadora do Brasil (“primarização”) e os interesses comerciais; O Brasil nas CGV; O debate sobre as diretrizes da agenda de política comercial do Brasil.
Bibliografia:
BAUMANN, R. O Brasil e os demais BRICs: comércio e política. Brasília: CEPAL, 2010.
BHAGWATI J. Termites in the trading system. Oxford University Press 2008.
DESIDERÁ, W. A. N., TEIXIERA, R. A. T. (Org.). Perspectivas para la integración de América Latina. Brasília: IPEA, 2012.
DRAPER, P. The shifting geography of global value chains: implications for developing countries, trade policy, and the G20. Global Summitry Journal, Toronto, apr. 2013 Disponível em <http://dx.doi.org/10.7871/2291-4110.1005>
DUPAS, G., LAFER, C.; SILVA, C. E. L. (Org.) A nova configuração mundial do poder. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2008.
GILPIN, R. Global political economy. Princeton: Princeton University Press, 2001.
HELPMAN, E. Understanding global trade hardcover. Cambridge, MA, Harvard University Press, 2011
KRUGMAN, P. R., OBSTFELD, M. Economia internacional. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.
OLIVEIRA, I. T. M. A política comercial externa brasileira. São Paulo: Saraiva, 2013.
POMFRET, R. The economics of regional trading arrangements. New York: Oxford University Press, 1997.
STURGEON T. et al. A indústria brasileira e as cadeias globais de valor. São Paulo: Elsevier, 2014.
THORSTENSEN, V. OMC: as regras do comércio internacional e a nova rodada de negociações multilaterais. 2. ed.  São Paulo: Edições Aduaneiras, 2011.

 

 

Segurança energética e indústria do petróleo. Síntese geopolítica: monopólios, carteis e concorrência. Características técnicas e econômicas das indústrias de petróleo e de gás e as respectivas cadeias produtivas dessas indústrias. A indústria brasileira de petróleo e gás e seu papel no desenvolvimento nacional. O debate sobre a “maldição dos recursos naturais”. Políticas Públicas voltadas para o setor petrolífero. A Política de Conteúdo Local no Brasil. Atores envolvidos com a competitividade da indústria nacional de petróleo e gás: ANP; Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio; empresas; ONIP; as instâncias governamentais nacional, estadual e municipal; universidades e centros de pesquisa. Petróleo e espaço regional. Impactos locais. Metodologias de análise: Análise Prospectiva Estratégica, Análise de Comportamento de Atores. Os tributos sobre a produção: razões, objetivos e normas de pagamento dos royalties e das participações especiais.

Bibliografia:
ANDERSON, G. (Org). Oil and gas in federal systems. Toronto: Oxford University Press, 2011.
BENES, J. et al. The future of oil: geology versus technology: IMF Working Paper WP/12/109. Washington, D.C: Fundo Monetário Internacional. Research Department, maio 2012.
BINSZTOK, J. (Org.). Geografia e geopolítica do petróleo. Rio de Janeiro: Mauad X /Faperj, 2012.
BRASIL. Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Contrato de Concessão para Exploração, Desenvolvimento e Produção de Petróleo e Gás Natural. Brasília: MME, 2012.
BRASIL. Organização Nacional da Indústria do Petróleo. Agenda de Competitividade da Cadeia produtiva de Óleo e Gás Offshore no Brasil. Rio de Janeiro, 2010.
BRITO, Thiago L. F. et al. A dialética da segurança energética e a interdependência das nações: reflexões focadas no papel do petróleo e na dimensão brasileira. In: MONIÉ, F.; EGLER, C.; MATTOS, M. Multinacionais do setor petrolífero, geoeconomia e integração regional na América do Sul. In: MONIÉ, F.; BINSZTOC, J. (Org.). Geografia e geopolítica do petróleo. Rio de Janeiro: MAUAD X, 2012.
FERNÁNDEZ Y FERNÁNDEZ, E.;. MUSSO, B. Oportuniades e desafios da agenda de competitividade para construção de uma política industrial na área de petróleo: propostas para um novo ciclo de desenvolvimento industrial. estudos e pesquisas 384. In: FÓRUM NACIONAL, 23, Rio de Janeiro, 2011.
GOBETTI, S. W. Federalismo e rendas petrolíferas no Brasil e no mundo. In: PIQUET, R. (Org.). Mar de riqueza, terras de contrastes: o petróleo no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X / Faperj, 2011.
INTERNATIONAL ENERGY AGENCY. World energy outlook 2011. Paris: IEA. OCDE, 2011.
MAUGERI, L. Oil: the Next Revolution. Discussion Paper, 2012-10, Cambridge: Belfer Center for Science and International Affairs, Harvard Kennedy School, jun, 2012.
MORAIS, J. M. Petróleo em águas profundas: uma história tecnológica da Petrobras na exploração e produção offshore. Brasília: Ipea e Petrobras, 2013.
NAZARETH, P.; SALLES, J.; QUINTANILLHA, N. O Rio de Janeiro e o pré-sal: o novo marco regulatório e os impactos nas finanças do estado e dos municípios. In: PIQUET, R. (Org.), Mar de riqueza, terras de contrastes: o petróleo no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X Faperj, 2011.
PEREIRA, L. V. As exportações fluminenses: a maldição dos recursos naturais? In: PERIARD, T.; LOSEKANN, L. Petróleo, doença holandesa e dependência da renda petrolífera. In: MONIÉ, F.; BINSZTOC, J. (Org.). Geografia e geopolítica do petróleo. Rio de Janeiro: MAUAD X. 2012.
PINHEIRO, A. C.; VELOSO, F. (Org.). Rio de Janeiro um estado em transição. Rio de Janeiro: FGV, 2012.
PINTO JUNIOR, H. et al. Economia da energia: fundamentos econômicos, evolução histórica e organização industrial. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.
PIQUET, R. Indústria do petróleo e dinâmica regional: reflexões teórico-metodológicas. In: PIQUET, R.; SERRA, R. (Org.). Petróleo e região no Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2007. p.15-33.
______. Mar de riqueza, Terras de Contrastes: o petróleo no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X / Faperj. 2011.
______. O lugar do regional na indústria do petróleo. In: Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais. 2012.
RAPPEL, E. A exploração econômica do pré-sal e os impactos sobre a indústria brasileira de petróleo. In: PIQUET, Rosélia (Org.). Mar de riqueza, terras de contrastes: o petróleo no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X/ Faperj, 2011
ROSS, M. L. The oil curse: how petroleum wealth shapes the development of nations. Princeton: Princeton University Press, 2012.
SERRA, R. O novo marco regulatório do setor petrolífero brasileiro: dádiva ou maldição? In: PIQUET, R. (Org.). Mar de riqueza, terras de contrastes: o petróleo no Brasil. Rio de Janeiro: MAUAD X: Faperj, 2011.

 

 

Educação x qualificação: conceitos fundamentais. Educação, divisões sociais e meritocracia: interpretações da educação na sociedade contemporânea. Desigualdade educacional e seus impactos no desenvolvimento. Educação, mercado de trabalho e mobilidade social. Educação profissional x qualificação da classe trabalhadora. Educação e desenvolvimento econômico e social. Ensino superior: medidas e tendências. O mundo do trabalho na contemporaneidade. Educação e trabalho em perspectiva comparada entre os países em desenvolvimento (BRICs).
Bibliografia:
ALMEIDA, A. M. F.; NOGUEIRA, M. A. (Org.). A escolarização das elites: um panorama internacional da pesquisa. Petrópolis: RJ, Vozes, 2002.
ALVES, G. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Boitempo, 2011.
ANTUNES, R.. Adeus ao trabalho?. São Paulo: Cortez, 1995.
ARROW, K.; BOWLES, S.; DURLAUF, S. (Ed.) Meritocracy and economic inequality. Princeton: Princeton University Press, 2000.
BIRDSALL, N.; SABOT, R. H. (Ed.). Opportunity foregone: education in Brazil. Washington: Johns Hopkins; Inter-American Development Bank, 1996.
BOURDIEU, P.  Sistemas de ensino e sistema de pensamento. In: ______. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectivas, 2007.p.203-229.
BUCHMANN, C.; HANNUM, E. Education and stratification in developing countries: a review of theories and research. Annual Review of Sociology, Durham, n. 27, p. 77-102, 2001.
CARDOSO, A. M. A construção da sociedade do trabalho no Brasil.: uma investigação sobre a persistência secular das desigualdades. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2010.
CARNOY, M. et al. University expansion in a changing global economy: triumph of the BRICs? Stanford: Stanford Press, 2013. Disponível em:< http://iis-db.stanford. edu/pubs/24341/University_Expansion_in_the_BRIC_Countries.pdf>
CUNHA, L. A. O ensino profissional na irradiação do industrialismo. São Paulo: UNESP, 2000.
DEDECCA, C. S. Notas sobre a evolução do mercado de trabalho no Brasil. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 25, n. 1 (97), p. 94-111, jan./mar. 2005.
FERREIRA, L.; CARVALHO, C. O. Investimento em tecnologia: uma análise comparativa entre os países do BRICs. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 7., 2010, Resende, RJ. Anais… Disponível em:<http://www.aedb.br/seget/ artigos10 /315_Luana%20-%20SEGET.pdf.>
LEUVEN, E.; OOSTERBEEK, H. Overeducation and mismatch in the labor market. IZA Discussion paper. Bonn, n.5523, p. 1-53, feb. 2011.
PASTORE, J. As mudanças no mundo do trabalho: leituras de sociologia do trabalho. São Paulo: LTr, 2006.
POCHMANN, Marcio. Educação e trabalho: como desenvolver uma relação virtuosa? Educucação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 87, p. 383-399, mai./ago. 2004. Disponível em: <http://www.cedes.unicamp.br>
RUBINSTEIN, Y.; SEKHRI, S. Do public colleges in developing countries provide better education than private ones? Evidence from General Education Sector in India. Published London: Centre for the Economics of Education.: London School of Economics, 2011, p.01-56.
SANTOS, B. S. A ideia de universidade à universidade de ideias. In: ______ Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 12 ed. São Paulo: Cortez, 2008. p.187-234.
______. Universidade no Séc. XXI, para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. São Paulo: Cortez, 2004.
SCHWARTZMAN, S.; CASTRO, C. M. Ensino, formação profissional e a questão da mão de obra. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, v. 21, n. 80, p.563-623, set. 2013.
SEGNINI, L. R. P. Educação e trabalho: uma relação tão necessária quanto insuficiente. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.14, n.2, p. 72-81, jun. 2000.
TAVARES, J. A. G. A universidade, a formação das elites e a construção do Estado no Brasil. In: SCHMIDT, B. V. et al. (Org.) Entre escombros e alternativas: ensino superior na América Latina. Brasília: Editora UnB, 2000. p.29-73.

 

 

Principais tipos de projetos de intervenção socioeconômica. Aspectos relevantes na elaboração e avaliação. Técnicas participativas. Projetos de pesquisa: elaboração e desenvolvimento. Avaliação de projetos: ótica privada e ótica social. Avaliação de externalidades de grandes projetos econômicos sobre o meio ambiente.

 

Bibliografia:
AGUILAR, M. J.; ANDER-EGG, E. Avaliação de serviços e programas sociais. 2 ed. Petrópolis, Vozes, 1995.
BALLART, X. Como evaluar programas y servicios públicos?: aproximación sistemática e estudios de caso. Ministério para las Administraciones Públicas, 1992.
BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Fundo Nacional do Meio Ambiente. Manual para apresentação de projetos. Disponível em: <www.mma.gov.br>
BUARQUE, C. Avaliação econômica de projetos: uma apresentação didática. Rio de Janeiro: Campus, 1994.
CONTADOR, C. Projetos sociais: avaliação e prática. São Paulo: Atlas, 1997.
GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Secretaria do Meio Ambiente. Oficina de elaboração, Administração e avaliação de Projetos.
HOLANDA, N. Planejamento e projetos. Fortaleza: Edições UFC, 1982.
INTER-AMERICAN DEVELOPMENT BANK. The logical framework for project design. Disponível em: < http://www.iadb.org/ int/ecursos/logical.cfm?language=spanish>.
MACHADO, J. A. P. Projetos Econômicos: uma abordagem prática de elaboração. São Paulo: Nobel 2002.
MALTA, C; CONDE, M. G.; DIALETACHI, S. Elaboração de projetos na área de meio ambiente. In: SORRENTINO, M; Trajber, R; Braga, T. Cadernos do III Fórum de Educação Ambiental. São Paulo: Editora Gaia, 1995.
MARGULIS, S. Meio ambiente: aspectos técnicos e econômicos. Rio de Janeiro: IPEA, Brasília: IPEA/PNUD, 1990.
MOKATE, Karen. Eficacia, eficiência, equidade y sostenibilidad:¿que queremos decir? Washington: BANCO INTERAMERICANO DE DESARROLLO. Instituto Interamericano para el Desarrollo Social 2001. 53 p. (Serie de Documentos de Trabajo). Disponivel em: < http://idbdocs.iadb.org/wsdocs/getdocument.aspx?docnum=2220176>
MOKATE, Karen. El monitoreo y la evaluación: herramientas indispensables de la gerencia social. Washington: BANCO INTERAMERICANO DE DESARROLLO. Instituto Interamericano para el Desarrollo Social, 2000. PIQUET, R. A avaliação de projetos como um novo campo de pesquisa. In: LAVINAS, L.; CARLEIAL, L.; NABUCO, K. Reestruturação do espaço urbano no Brasil. 4. ed. São Paulo, Hucitec, 1993
______. avaliação de projetos como um novo campo de pesquisa. In: LAVINAS, L.; WOILER, S.; MATHIAS, W. F. Projetos: planejamento, elaboração e análise. Atlas, São Paulo.
PROCHNOW, M.; SCHÄFFER, W. B. Pequeno manual para elaboração de projetos. Insituto Socioambiental; APREMAVI, 2001.
SOCIAL SCIENCE RESEARCH COUNCIL. The art of writing proposals. Disponível em: <www.ssrc.org>
VEIGA, J. E. Elaboração de projeto de pesquisa. [ S.l.: s.n.],1995.

 

 

Energia e atividades humanas. Fontes de energia e balanços energéticos. Recursos energéticos e reservas. Energia e desenvolvimento: relações com PIB, IDH, Gini. Energia e meio ambiente. Alternativas futuras de energia (eficiência energética e energias renováveis). Biomassa: das plantas ao lixo. Soluções técnicas (indústria, transportes, serviços). Estudo de caso de modelos de desenvolvimento sustentável.

 

Bibliografia:
FARINA, E.; RODRIGUES, L.; SOUSA, E. L. A política de petróleo e a indústria de etanol no Brasil. Interesse Nacional, São Paulo, ano 6, n. 22, p. 64-75, 2013.
GOLDEMBERG, J.; LUCON, O. Energia, meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo: EdUSP, 2008.
HINRICHS, R.; KLEINBACH, M.; REIS, L. B. Energia e meio Ambiente. São Paulo: Ed CENGAGE, 2011.
IGNACY SACHS. A Revolução Energética do Século XXI. Estudos Avançados, São Paulo, v.21, n.59, p. 21-38, 2007.
KOHLHEPP, G. Análise da situação da produção de etanol e biodiesel no Brasil. Estudos. Avançados, São Paulo, v. 24, n. 68, p. 223-253, 2010.
PINTO, L. F. De Tucuruí a Belo Monte: a história avança mesmo?. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências. Humanas. Belém, PA , v. 7, n. 3, p. 777-782, 2012.
REIS, L.B.; CUNHA, E.C. Energia elétrica e sustentabilidade: aspectos tecnológicos, socioambientais e legais. São Paulo: Editora Manole, 2006.
SICHE, R. et al. Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 137-148.

 

 

Análises de Experimentos utilizando Delineamento Inteiramente Casualizado e Blocos Casualizados; Outros delineamentos experimentais (Quadrados Latinos; Fatorial); Análise de Correlação; Métodos de análise de Regressão: Linear Simples; Linear Múltipla; e Regressão Polinomial.

 

Bibliografia:
COSTA NETO, P. L. O. Estatística. 2. ed., São Paulo, editora Edgard Blücher Ltda., 2002. 266 p.
DEVORE, JAY L. Probabilidade e estatística para engenharia e ciências. São Paulo, editora Pioneira Thomson Learning, 2006. 692 p.
FONSECA, J. S.; MARTINS, G. A. Curso de estatística. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1996. 320p.
MONTGOMERY, D. C. Design and analysis of experiments. 8th ed. New York: J. Wiley , 2012. 752 p.

 

 

A reforma do Estado e a descentralização. Reforma do Estado e descentralização, pacto federativo e os papéis das entidades subnacionais, a implementação e a coordenação das políticas públicas voltadas ao desenvolvimento regional. Desafios da implementação e coordenação das políticas Federais voltadas ao desenvolvimento das regiões. O reescalonamento do Estado e os desafios para a integração e coesão regionais. Federalismo: Definições e Modelos. A Fundação de Estados Federais. A tese da competição entre as jurisdições: integração e descentralização. Federalismo e Mercado e Federalismo Fiscal. Influência do federalismo sobre elementos do sistema político como o sistema de partidos e justiça. Federalismo, Desigualdade e Política Social. Federalismo e Democracia. O Federalismo Brasileiro. Federalismo e Desenvolvimento Regional.

 

Bibliografia:
ABRUCIO, F. L. Os barões da federação: os governadores e a redemocratização brasileira. São Paulo: Ed. Hucitec, 1998.
AFFONSO, R. B. A. A federação no Brasil: impasses e perspectivas. In: AFFONSO, R. B. A. ; BUCHANAN, J. Federalism as an ideal political order and an objective for constitutional reform. Publius: the journal of federalism, Dalto, Tex, US, v. 25, n. 2, p. 19-28, 1995.
ARAÚJO, T, B. Desenvolvimento regional brasileiro e políticas públicas federais no governo Lula. In: SADER, E (Org.). 10 anos de governos pós-neoliberiais no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.
ARRETCHE, M. Relações federativas nas políticas sociais. Educação & Sociedade, Campinas, v.23, n. 80, set. 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo. php?pid =S0101-73302002008000003&script=sci_arttext&t>.
ARRETCHE, M.; RODDEN, J. Política distributiva na federação: estratégias eleitorais, barganhas legislativas e coalizões de Governo. Dados, Rio de Janeiro, v.47, n.4, 2004.,
BRANDÃO, C. Território e desenvolvimento: as múltiplas escalas entre o local e o global. Campinas: Ed. Unicamp, 2007.
BRENNER, Neil. New state spaces: urban governance and the rescaling of statehood. Oxford, Oxford University Press, 2004.
FILIPPOV, M., ORDESHOOK, P.; SHVETSOVA, O. designing federalism: a
theory of self-sustainable federal institutions. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2004.
LIJPHART, A. Democracy in plural societies: a comparative exploration. New Haven: Yale. University Press. 1977. Cap. 2.
OATES, W. E. An essay on fiscal federalism. Journal of Economic Literature. v. 37, p.1120-1149, sep. 1999.
OBINGER, H.; LEIBFRIED, S.; CASTLES, F. (Ed.). Federalism and the welfare state. New World and European Experiences. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.
RODDEN, J. The Dilemma of fiscal federalism: grants and fiscal performance around the world. American Journal of Political Science, v. 46, n. 3: p. 670-687, 2002.
ROUST K.; SHVETSOVA, O. Representative democracy as a necessary condition for the survivial of a federal constitution. Publius, Dalton, Tex, US, v. 37, n. 2, p.244-261, 2007.
SAMUELS, D.; ABRUCIO, F. L. Federalism and democratic transitions: the “new” politics of the governors in Brazil. Publius: the journal of federalism, Dalton, Tex, US, v.30, n.2, p. 43-61, 2000.

SIQUEIRA, H. Dinâmica regional brasileira (1990-2012). In: BRANDÃO, C.; SIQUEIRA, H. (Org.). Pacto federativo, integração nacional e desenvolvimento regional. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2013.
VOLDEN, Craig; TING, M.; CARPENTER, D. P. A formal model of learning and policy diffusion. American Political Science Review, Baltimore, Md, US, v. 102, n.3, 2008.
STRUMPF, K. Does government decentralization increase policy
WATTS, Ronald. Federalism, federal political systems, and federations. Annual Review of Political Science, Palo Alto, CA, v. 1, p.117-37, 1998.
WEINGAST, B. The Economic role of political institutions: market preserving federalism and economic growth. Journal of Law, Economics and Organization, n.1, .p. 1-31, apr. 1995.
WILDAVSKY, A. Federalism means inequality: geometry, political sociology and political culture. In: GOLEMBIEWSKI, Robert T. WILDAVSKY A. (Ed.) The costs of federalism. London: Transaction Books, 1984. P. 55-69.
innovation?. Journal of Public Economic Theory, Malden, Mass, US, v. 4, 2002.
WILLIS, E.; GARMAN, C.; HAGGARD, S. The politics of descentralization in Latin America. Latin America Research Review, Pittsburgh, 1997.

 

 

História e atualidades da problemática ambiental. Direito à cidade e desenvolvimento sustentável. Conceitos e princípios fundamentais da política ambiental brasileira. Impactos ambientais regionais causados por grandes projetos de desenvolvimento. Indicadores e perspectivas de sustentabilidade. Gestão pública, participação e sustentabilidade. Dimensões da interface urbano-ambiental sob a perspectiva da região. Experiências de desenvolvimento sustentável regional. Gestão ambiental nas empresas. Normas ISO 14.000 e os Sistemas de Gestão Ambiental (SGA). Ecoeficiência e Produção Mais Limpa.

 

Bibliografia:
ACSELRAD, H. (Org.). A duração das cidades: sustentabilidade e risco nas políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.
CASTELLS, M. A questão urbana. São Paulo: Paz e Terra, 2000.
COPELAND, B.R.; TAYLOR, M.S. (2004). Trade, Growth and the Environment. Journal of Economic Literature 42(1), 7-71
CURI, D. Gestão Ambiental. Editora Pearson, 312p, 2011.
ESTEVES, F.A. Do índio goitacá à economia do petróleo: uma viagem pela história e ecologia da maior restinga protegida do Brasil. Campos dos Goytacazes: Essentia Editora, 2011.
DALY, H. E. Beyond Growth. Washington: Beacon Press, 1996.
ELLIOTT, J. An introduction to sustainable development. New York: Routledge, 2012.
HARRIS, J. M.; TIMOTHY, A. W.; KEVIN, P. G.; NEVA, R. G. (Ed.). A survey of sustainable development: social and economic dimensions. Washington, D.C: Island Press, 2001.
LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.
LEITE, A.F.; GOMES, M.A.S. Dinâmica ambiental e produção do espaço urbano e regional no Norte Fluminense. Campos dos Goytacazes: Essentia Editora, 2013.
MACIEL, A.A.; WEIDMAN, G.A. Tecnologias sustentáveis em sistemas urbanos. Secretaria de Inclusão Social do Ministério de Ciência e Tecnologia, 2010.
MARTINEZ-ALIER, J. Ecologismo dos pobres. São Paulo: Contexto, 2011.
MEADOWS, D. H. et al. The limits to growth: a report for the Club of Rome’s project on the predicament of mankind. Washington: Potomac, 1975.
_______.; RANDERS, J.; MEADOWS, D. Limits to growth: the 30-year update. White River Junction: Chelsea Green, 2004.
RAVEN, P.H.; BERG, L.R. Environment. Somerset, NJ: Jhon Wiley & Sons, 2004.
SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.
THOMAS, J.M.; CALLAN, S. J. Economia Ambiental. São Paulo: Editora Cengage, 2010.
TOTTI, M. E.; SOFFIATI, A. Gestão de águas no baixo Paraíba do Sul: região hidrográfica IX do estado do Rio de Janeiro. Campos dos Goytacazes: Essentia Editora, 2014.
VEIGA, J. E. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.
VESILIND, P.A.; MORGAN, S.M. Introdução à engenharia ambiental. 2.ed. São Paulo: Editora Cengage, 2011.

 

 

A pesquisa e a mensuração do real. Conceitos e propriedades dos indicadores sociais e seu papel no planejamento. Sistema de dados e indicadores. Indicadores sociais e econômicos, avaliação e formulação de políticas públicas. Operacionalização de conceitos. A pesquisa de campo e a construção de índices. Indicadores objetivos e subjetivos. Experiências de construção de indicadores na pesquisa social.

 

Bibliografia:
ATKINSON, T.; CANTILLON, B.; MARLIER, E.; NOLAN, B. Social indicators: the EU and Social Inclusion. Oxford: Oxford Univ. Press, 2005.
BABBIE, E. Métodos de pesquisa de survey. Belo Horizonte: EDUFMG, 2003.
CARLEY, M. Indicadores sociais: teoria e prática. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.
CARVALHO, J. A. M.; SAWYER, D. O.; RODRIGUES, R. N. Introdução a alguns conceitos básicos e medidas em demografia. São Paulo: ABEP, 1998.
COBB, C. W.; RIXFORD, C. Lessons learned from the history of social indicators. San Francisco, Redefining Progress, 1998.
DIENER, E.; SUH, E. Measuring quality of life: economic, social and subjective indicators. In: Social Indicators Research, 40, 1997, p.189-216.
HORN, R. Statistical Indicators for the economic and social sciences. Cambridge: Cambridge Univ. Press, 1993.
JANNUZZI. P. M. Indicadores sociais no Brasil. 5.ed. São Paulo: Alínea Editora, 2012.
RATTNER, H. Indicadores sociais e planificação do desenvolvimento. Revista Espaço Acadêmico, Maringa, n. 30, nov. 2003.
RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.
SENRA, N. O cotidiano da pesquisa. 2. edição. São Paulo: Ática, 2003. 71 p.

 

 

A disciplina tem por objetivo apresentar e discutir o processo recente de desenvolvimento da região Norte Fluminense, que se encontra sob forte impacto de atividades que envolvem relações multiescalares, como os da indústria do petróleo e do complexo logístico industrial do Porto do Açu. As diferentes dimensões que envolvem as atividades portuárias em suas relações com as regiões em que se localizam. O sistema portuário nacional: modernização portuária e logística. Os impactos no desenvolvimento regional. As relações entre porto e cidade. Implicações para as políticas públicas de desenvolvimento.

 

Bibliografia:
BANDOUIN, T. A cidade portuária na mundialização. In: SILVA, G.; COCCO G. (Org.). Cidades e portos: os espaços da globalização. Rio de Janeiro: DP&A, 1999. p. 27-38.
BARAT, J. Globalização, logística e transporte. In: BARAT, Josef (Org.). Logística e transporte no processo de globalização: oportunidades para o Brasil. São Paulo: UNESP:IEEI, 2007. p. 15- 48.
DUCRUET, C. Spatial structures and trends in port cities: from the local to the global. Mappemonde, Montpellier, v. 77, n. 1, 2005. Disponível em:< http://mappemonde. mgm.fr/num5/articles/ art05106.html>
______. Typologie mondiale des relations ville-port. Cybergeo: European Journal of Geography. Espace, Société, Territoire, Paris, mar. 2008. Disponível em:< http://cybergeo.revues.org/17332>.
DUCRUET, C.; LEE S.; SONG D. A tale of Asia’s world ports: the spatial evolution in Ggobal hub port cities. Geoforum, Oxford, GB, v. 39, n. 1, p. 372-385, fev. 2010.
DUCRUET, C.; NOTTEBOOM T. The worldwide maritime network of container shipping: Spatial structure and regional dynamics. Global Networks, Hoboken, NJ,   nov. 2010.
GUSMÃO, P. Apropriação e ordenamento territorial na Zona Costeira no Estado do Rio de Janeiro: grandes corporações ou as políticas públicas?. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, Recife, v.12, n.2 , nov. 2010.
MONIÉ, F. Planejamento territorial, modernização portuária e logística: o impasse das políticas públicas no Brasil e no Rio de Janeiro. In: MONIÉ, F.; SILVA, G. (Org.). A mobilização produtiva dos territórios: instituições e logística do desenvolvimento local. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
______ Globalização, modernização do sistema portuário e relações cidade/porto no Brasil. In: Silveira, M. R. (Org.). Geografia dos transportes, circulação e logística no Brasil. São Paulo: Outras Expressões, 2011. p. 229-330.
MONIÉ, F.; VASCONCELOS, F. Evolução das relações entre cidades e portos: entre lógicas homogeneizantes e dinâmicas de diferenciação. Revista Confins, n.15, 2012. Disponível em: http://confins.revues.org/7685; DOI: 10.4000/confins.7685.
PIQUET, R. SHIMODA, E. De braços abertos: as expectativas quanto aos impactos do Porto do Açu, RJ. Revista Política e Planejamento Regional. Rio de Janeiro, v. 1, n.1, 2014.
RANGEL, H. C. Complexo portuário do Açu: impacto do empreendimento no município de São João da Barra. 2012. Dissertação (Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades) – Universidade Candido Mendes, Campos dos Goytacazes, 2012.
SILVA, G. Logística e território: implicações para as políticas públicas de desenvolvimento. In: MONIÉ, F; SILVA, G. (Org.). A mobilização produtiva dos territórios: instituições e logística do desenvolvimento local. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 81-98
UDERMAN, S.; ROCHA, C. H.; CAVALCANTE, L. R. Modernização do sistema portuário no Brasil: uma proposta metodológica. Journal of Transport Literature, São José dos Campos, v. 6, n. 1, 2012.

 

 

Fundamentos da Logística, Infraestrutura Logística, Políticas públicas e Transportes, Logística Reversa e ambiente.

 

Bibliografia:
ALVARENGA, A. C.; NOVAES, A. G. Logística Aplicada: suprimento e distribuição física. São Paulo: Pioneira, 1994.
BALLOU, R. H. Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, 1993. 388 p
BARAT, J. Logística, transporte e desenvolvimento econômico: história, atualidade e perspectivas. São Paulo: Editora CLA, 2007. v.1, 112 p.
DIAS, J. C.Q.. Logística global e macrologística. Lisboa: Edições Sílabo, 2005.
DUARTE, F. Planejamento urbano. 20.ed. Curitiba: Ipbex, 2007.
FERRAZ, A. C. P.; TORRES, I. G. E. Transporte público urbano. 2. ed. São Carlos: Editora Rima, 2004.
FIGUEIREDO, K. F.; FLEURY, P. F.; WANKE, P. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento do fluxo de produtos e dos recursos. São Paulo: Atlas, 2003. 483 p.
LEITE, P. R. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009b. 240 p.
LIMA, M. P. Custo logístico na economia brasileira. São Paulo, Revista Tecnologística, p. 64-69, jan. 2006.
MULLER, P.; SUREL, Y. Análise das políticas públicas. Pelotas: Educat, 2002.
RODRIGUES, P. R. A. Introdução aos sistemas de transporte no Brasil e à logística Internacional. 3. ed. São Paulo: Aduaneiras. 2003.

 

 

Sistemas Contínuos e Discretos. Conceitos de Modelagem e Simulação a Eventos Discretos – Aplicações, Vantagens e Desvantagens. Softwares de Simulação. Geradores de Números Aleatórios. Simulação de Monte Carlo. Distribuições Teóricas de Probabilidades. Verificação e Validação de Modelos de Simulação. Análise de Dados de Entrada e de Saída em Modelos de Simulação. Projeto de Experimentos com Modelos Simulados. Estudo de Caso em Sistemas Logísticos.

 

Bibliografia:

BANKS, J; CARSON, J. S.; NELSON, B. L. Upper Saddler River: Discrete-event system simulation. 5th ed. Prentice Hall, 2010.
CHWIF, L.; MEDINA, A. C. Modelagem e simulação de acontecimentos discretos: teoria e aplicações. São Paulo: Bravarte, 2006.
FREITAS FILHO, P. J. Introdução à modelagem e simulação de sistemas. 2. ed. Florianópolis: Visual Books, 2008.
KELTON, D. W.; SADOWSKI, R. P.; STURROCK, D. T. Simulation with arena. 4th ed. Boston: Mc Graw Hill, 2007.
LAW, A.M. Simulation modeling and analysis. 4th ed. Boston: Mc Graw Hill, 2007.
MONTGOMERY, D.C. Design and analysis of experiments, 7th ed. New York: John Wiley & Sons, Inc. 2009.
PIDD, M. Computer simulation in management science. Hoboken, NJ: Wiley, 2004.

 

 

Estudo comparado das concepções teóricas sobre o desenvolvimento econômico abrangendo desde os clássicos, os teóricos do desenvolvimento do pós-Segunda Guerra, bem como seus principais intérpretes e seguidores contemporâneos. O Subdesenvolvimento e a especificidade dos países de desenvolvimento retardatário. Capitalismo de Laços.
A realidade espacial brasileira, latino-americana e europeia contemporânea. Aportes diversos, sublinhando as diferentes formas de compreensão e conceituação do que é o ‘regional’, bem como os diferentes agentes que atuam e/ou o transformam. Região como expressão de desequilíbrios ou de desigualdades.
Mercantilismo, Capitalismo Clássico e a fase Monopolista. Capitalismo Monopolista e o Terceiro Mundo. Visão do processo histórico do desenvolvimento e do subdesenvolvimento. Teorias e Modelos de Desenvolvimento. O desenvolvimento como meta, estratégia, ilusão, mimetismo e integração na divisão internacional do trabalho, ou, na ordem econômica mundial.
A problemática do desenvolvimento econômico dentro de sua dimensão sócio-política. Os diferentes sentidos atribuídos ao desenvolvimento: da concepção clássica ao ecodesenvolvimento. Crescimento x desenvolvimento; desenvolvimento como ideologia: teoria das etapas; teoria dos polos; teoria da dependência; teoria da ruptura.
Desenvolvimento socioeconômico numa perspectiva histórica e teórica (clássica, neo-clássica, keynesiana, marxista e marxiana). Desenvolvimento sócioeconômico na América Latina (CEPAL, estruturalismo e neo-estruturalismo, teoria da dependencia).
Teorias de Desenvolvimento e o Subdesenvolvimento As diversas concepções de desenvolvimento. América Latina: a especificidade da teoria. A teoria Econômica da CEPAL. Desenvolvimento socioeconômico contemporâneo da América Latina.
Desenvolvimentismo, Neoliberalismo e Neodesenvolvimentismo. Crescimento endógeno. Desenvolvimento Econômico Local – DEL. O debate entre as abordagens do DEL e do Desenvolvimento Nacional Integrado.

 

Bibliografia:
ALENTEJANO, P. R. Espaço, território e região: uma tentativa de reconceituação. Rio de Janeiro: Texto didático, 2000.
ARAÚJO, T. B. Ensaios sobre o desenvolvimento brasileiro: heranças e urgências. Rio de Janeiro: REVAN: Fase, 2000.
ARRIGHI, G. A ilusão do desenvolvimento. Petrópolis/ RJ: Vozes, 1997.
BENKO, G.; LIPIETZ, A. Economia, espaço e globalização na aurora do século XXI. São Paulo: HUCITEC, 1996.
BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,1998.
BRANDÃO, C. Território e desenvolvimento. Campinas: UNICAMP, 2007.
CARDOSO, F. H.; FALETTO, E. Dependência e subdesenvolvimento na América Latina. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.
COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A. (Org.). Empresários e empregos nos novos territórios Produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.
CRUZ, J. L. V. (Org). Brasil, o desafio da diversidade: experiências de desenvolvimento regional. Rio de Janeiro: Ed. Senac Nacional, 2005.
DINIZ, C.C.; CROCCO, M.A. Economia regional e urbana: contribuições teóricas recentes. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.
SANTOS, T. A teoria da dependência. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2000. v. 1.
FAURÉ, Y.A.; HASENCLEVER, L. (Org.). Caleidoscópio do desenvolvimento local no Brasil: diversidade das abordagens e das experiências. Rio de Janeiro: E- papers, 2007.
FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto; Centro Internacional Celso Furtado, 2009.
GONÇALVES, M. F.; BRANDÃO, A. C.; GALVÃO, A. C. (Org.). Regiões e cidades, cidades nas regiões. São Paulo: Ed. UNESP, 2003.
GRAMSCI, A. A questão meridional. São Paulo: Paz e Terra, 1987.
LATOUCHE, S. A Ocidentalização do mundo. Petrópolis: Vozes, 1994.
LIMA, A.C.C.; SIMÕES, R.F. Teorias do desenvolvimento regional e suas implicações de política econômica no pós-guerra: o caso do Brasil. Belo Horizonte: UFMG. Cedeplar, 2009.
MALUF, R. S. Atribuindo sentido(s) ao desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro, Revista de Estudos Sociedade e Agricultura, p. 36-68, 2000.
MELLO, J. M. C. O capitalismo tardio. São Paulo: Brasiliense, 1991.
MARINI R. M. Dialética da dependência. Vozes, 2000.
MASSEY, D. Regionalismo: alguns problemas atuais. São Paulo, Espaço & Debates, ano 1, n. 4, p. 50-83, 1981.
MYRDAL, G. Teoria econômica e regiões subdesenvolvidas. Belo Horizonte: UFMG, 1960.
NORTH, D. C. Teoria da localização e crescimento econômico regional. In: Schwartzman, J. Economia regional: textos escolhidos. Belo Horizonte: Cedeplar, 1977.
OLIVEIRA, F. Elegia para uma re(li)gião. São Paulo:Paz e Terra, 1981.
PERROUX, F. A Economia do século XX. Porto: Herder, 1967.
PIQUET, R. Indústria e território no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.
REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS. Rio de Janeiro: ANPUR, ANO 3, n. 5, P. 25-39, 2001.
SMITH, N. Desenvolvimento desigual: natureza, capital e a produção do espaço. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.
SUNKEL O. O Marco histórico do Processo Desenvolvimento-Subdesenvolvimento, Ed. Forum/Hachette, 1971.
SUNKEL, O.; PAZ, O. A Teoria do desenvolvimento econômico, São Paulo: DIFEL, 1976. ______. O Subdesenvolvimento Latino-Americano e a Teoria do Desenvolvimento, Ed. Forum, 1974.
VAINER, C. B. Regionalismo e projeto nacional: uma reflexão sobre regionalismos velhos e novos. Rio de Janeiro, Cadernos IPPUR/UFRJ, ano 7, n. 2, p.21-34, set. 1993.
______. As escalas do poder e o poder das escalas: o que pode o poder local? In: ACSELRAD, Henri. Planejamento e território: Rio de Janeiro: DP&A, 1986. p. 13-53.

 

 

Controle estatístico de processo, relacionado com a variabilidade entre as unidades produzidas no processo. Gráficos de controle de variáveis utilizando média (x barra), amplitude (R), desvio (S) e sigma; e de atributos (p, np, c, e u). Interpretação de gráficos de controle. Capacidade do processo. Outros gráficos de controle (CUSUM e EWMA). Reprodutibilidade e Repetibilidade em Sistemas de Mensuração. Amostragem simples e dupla de atributos. Confiabilidade no processo de inspeção. Curvas características de operação.

 

Bibliografia:
BARBETTA, P. A.; REIS, M. M.; BORNIA, A. C. Estatística: para cursos de engenharia e informática. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2010. 416p.
COSTA, A. F. B.; EPPRECHT, E. K.; CARPINETTI, L. C. R. Controle estatístico de qualidade. São Paulo: Atlas. 2004.
______. Controle Estatístico de Qualidade. São Paulo: Atlas, 2005.
CROSSLEY, M. L. Statistical quality methods. Winsconsin: ASQ Quality Press, 2000.
DEVORE, J. L. Probabilidade e estatística: para engenharia e ciências. 6.ed. São Paulo: Thomson, 2006. 692p.
DINIZ, M. G. Desmitificando o controle estatístico de processo. São Paulo: Artliber Editora, 2001. 71 p.
MARTINS, G. A. Estatística geral e aplicada. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2011. 680p.
MONTGOMERY, D. C. Design and analysis of experiments. 8th ed. New York: J. Wiley , 2012. 752 p.
MONTGOMERY, D. C. Introdução ao controle estatístico da qualidade. Rio de Janeiro: LTC. 2004.
MONTGOMERY, D. C. Introduction to statistical quality control. 7th ed. Hoboken, NJ: Wiley, c2013. 768 p.
SAMOHYL, R. W. Controle estatístico da qualidade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. 275 p.
SIQUEIRA, L.G.P. Controle Estatístico do Processo. 1.ed. São Paulo: Editora Pioneira, 1997

Aguarde, realizando operação...